Falta livro, sobra gente

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Um milhão e duzentos mil livros. Uma montanha de pá­ginas e páginas para serem descobertas, lidas, apreciadas e, o que é melhor, acessível a quem queira. O gigantesco acervo reunido pelas bibliotecas públicas de Curitiba, à primeira vista, poderia impressionar não fosse uma multidão de leitores em potencial maior ainda. A conta é simples: uma cidade com 1,8 milhão de habitantes e 1,2 milhão de exemplares disponíveis – uma média de 0,67 livro per capita.

Na cidade com o maior número de bibliotecas públicas per capita do país (uma a cada 26 mil pessoas) e reconhecida nacionalmente por ser uma capital cultural, faltam livros: não existe sequer um exemplar por habitante em unidades públicas – o levantamento feito pela reportagem levou em conta o acervo da Biblioteca Pública do Paraná, 45 Faróis do Saber, 81 bibliotecas es­­colares abertas à população, 10 bibliotecas mu­­nicipais e duas Casas de Leituras, mantidas pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC).

Curitiba ainda é modelo

Mesmo com um déficit tão grande de livros nos acervos públicos, Curitiba ainda é modelo para outras cidades brasileiras. “Embora esteja aquém do necessário, Curitiba é privilegiada. É a cidade que tem mais bibliotecas no país e melhor distribuídas geograficamente”, opina a presidente do Conselho Federal de Bibliote­cono­mia, Nêmora Rodrigues.

Circuito alternativo

Os estudos do Conselho Federal de Biblio­teco­nomia e da Federação Internacional das Associações Bibliote­cárias para definir a quantidade ideal de livros por habitante levam em consideração apenas as bibliotecas abertas à população em geral. Não são só nesses lugares, porém, que se pode ter acesso a livros.

A média de livros por habitante na capital pode ser preocupante, le­vando-se em conta parâmetros internacionais. O estudo Guide­li­­nes for Public Libraries (Orien­­tações para Bibliotecas Públicas), elaborado pela Fe­­deração Internacional das Associações Biblio­tecárias (Ifla, da sigla em inglês) em 2000 e reeditado em 2001, prevê que as bibliotecas públicas ofereçam, no mínimo, de 1,5 a 2,5 livros per capita. De acordo com a pesquisa conduzida pelo britânico Philip Gill, dois livros habitante seria um patamar adequado.

Como base na pesquisa da Ifla, para atender adequadamente sua po­­pulação, Curitiba teria de contar com 3,6 milhões de livros em acervo de bi­­bliotecas públicas, o que significa que a cidade, hoje, teria um déficit de 2,4 milhões de exemplares. Para a presidente do Conselho Federal de Bibliote­conomia (CFB), Nêmora Rodrigues, a defasagem, porém, pode ser três vezes maior.

De acordo com Nê­­mo­ra, a Ifla busca dar orientações que possam ser aplicadas em qualquer lugar do mundo. Ba­­sean­­do-se em estudos mais recentes e mais próximos, a expectativa para as cidades brasileiras é de atingir médias maiores. O parâmetro utilizado pelo CFB tem sido a As­­sociação de Bi­­bliotecários Ame­ricanos, que prevê que as bibliotecas es­­colares tenham, no mínimo, dez li­­vros por estudante.

Readequando o padrão americano, o CFB recomenda que as bibliotecas escolares brasileiras ofereçam, no mínimo, quatro livros por estudante – um projeto de lei que tramita no Congresso Federal pode fazer com que essa média passe a ser obrigatória. Já, para a população em geral, a recomendação do CFB é que as instituições públicas tenham cinco livros por habitante.

Na proposta da CFB, o déficit de livros em Curi­tiba chegaria a 7,8 milhões de exemplares. “É um problema grave”, avalia Nê­­mora. “A biblioteca é um serviço público que deve estar preparado para atender as necessidades da população”, critica o an­­tropólogo Felipe Lin­­doso, autor do livro O Bra­­sil pode ser um país de leitores?.

De acordo com a presidente do CFB, por menor que seja, o uso da biblioteca poderia ajudar a mudar a realidade de um povo. No Brasil, porém, um le­­vantamento do Instituto Pró-Livro mostrou que 73% dos brasileiros não frequentam bi­­bliotecas e, em todo país, existe uma unidade pública a cada 33 mil habitantes apenas – na Argentina, há uma para cada 17 mil pessoas e na França, uma para 2,5 mil.

O índice de leitura no Brasil é muito baixo. Enquanto o americano lê, em média, 11 livros por ano, e o francês, 7, o brasileiro tem lê apenas 1,3. Incluídas as obras didáticas e pedagógicas, o número sobe para 4,7.

O descaso com a leitura e, de quebra, com o espaço destinado aos livros, pode ter consequências sérias. De acordo com a Ifla, deixa-se de ga­­nhar em educação, informação e desenvolvimento pessoal de jo­­vens e adultos – os principais atributos das bibliotecas, segundo o estudo. “As bi­­bliotecas são im­­portantes instrumentos de cidadania e de desenvolvimento pessoal. Há também consequências econômicas”, ava­­­lia Lindoso. “As pessoas ficam sem capacidade de ir adiante, ter formação mais crítica. Aí reelegem os políticos corruptos e por aí vai”, opina Nêmora.

2 comentários

Laura Pimentel disse...

Tô gostando de ver nosso colega postando no blog!! Isso mesmo, se todos fizessem o mesmo, teríamos mais posts e interação neste canal que proporciona o aprendizado e compreende a totalidade de capacitação na troca de informação e gestão do conhecimento.

Rodrigo, parabéns!!

Abs!

7 de dezembro de 2009 15:06

Postar um comentário