O futuro da Web Social

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Antes de sair para participar da Forrester Altímetro Group, Jeremias Owyang, juntamente com Josh Bernoff, N. Cynthia Pflaum, e Bowen Emily, publicou um relatório que tentou trazer o futuro da Web Social em foco. Viu-se o conteúdo de sua pesquisa como um objeto social, as conversas que transpiram poderiam, de fato, acelerar o desenvolvimento e implementação das previsões mais valiosas e observações contidas.

A primeira parte do relatório da Web Social, observa o estado, resume sua direção:
A experiência social de hoje é incoerente porque os consumidores têm identidades distintas em cada rede social que visitam.

Um simples conjunto de tecnologias que permitem uma identidade portátil, põe um breve poder aos consumidores para trazer suas identidades com eles - capacidade de transformação de marketing, comércio eletrônico, CRM e publicidade. Identificações são apenas o início desta transformação, em que a Web vai evoluir passo a passo em separado sites sociais em uma experiência social compartilhada. Os consumidores vão contar com os seus pares como eles tomam decisões on-line, ou não marcas optar por participar. Socialmente conectados, consumidores fortalecerão as comunidades e poderão passar de marcas e sistemas de CRM; eventualmente isso vai resultar em comunidades com poderes e definição da próxima geração de produtos.

No relatório, a Forrester documenta a evolução e a direção da Web Social, em várias fases distintas:

1- A era das relações sociais - Começando com a AOL e outros, em meados da década de 1990, nesta época testemunhou-se a ligação entre as pessoas através de perfis simples e friending, características que serviram de fundamento para conversas on-line através de conexões.

2- A era da funcionalidade social - Evoluindo do friending às plataformas que apoiavam a interação social através de aplicações e infra-estrutura, facilitando as comunidades através das relações trancadas dentro dos limites de uma rede particular.

O Facebook lançou o Facebook Connect, infra-estrutura que permite-nos atravessar a rede social Facebook, com a nossa identidade e as relações no reboque, unindo nossas atualizações de volta para o Facebook News Feed para compartilhar com o nosso gráfico social. Esta é uma promoção monumental, uma vez que começa a demonstrar o poder de uma atividade interligada e fluxo de perfil e de rede que faz a web social um lugar muito menor.

No entanto, o que nós realmente precisamos é de um "Facebook Connect", mas não um dentro de cada site, confinados ou que beneficiem uma só rede. Isso criará o caminho seguinte para a era da colonização social como previsto pela Forrester.
Esta necessidade é especial, talvez até de conseqüente interesse para marcas, de como eles vão gastar um valor insuperável de tempo, recursos e dinheiro a tentar envolver-se nas conversões notáveis através de múltiplas redes de interesses.

3- A era da colonização social - tido como o próximo estágio da evolução social, o que surgirá logo este ano, são ferramentas como o OpenID e Facebook Connect que permite aos indivíduos a sua liberdade de rede para rede. A Forrester acredita que será capaz de fazê-lo com o nosso gráfico social no tato, mas acredito que a fase inicial da colonização social fará uma identidade portátil geral entre as redes. A portabilidade de dados correspondentes, objetos sociais, e de amizade que mantemos em cada rede torna-se o Santo Graal.

Para os consumidores, a navegar na Web não é mais uma experiência solitária. A Forrester prevê o lançamento de novos navegadores e sem atrito, tecnologias simples que permitem que as pessoas realmente naveguem na web com os amigos ou vejam o que eles estão fazendo em tempo real.

Como já estamos a assistindo ou ouvindo (dependendo de seu status na lista de convidados), o Google Wave representa a capacidade de centralizar as atividades do usuário e agregados e colaboração em toda a web e em múltiplas plataformas.
Forrester observa também que, nesta era da colonização, as recomendações dos seus pares alavancarão no interior das comunidades onde os indivíduos são ativos As marcas podem tirar proveito sobre esse comportamento, introduzir e gerar atividades de promoção através de contatos diretos, relações no blog meio mágicas, e também através de conversas patrocinadas. Isto servirá como ponte para o contexto social.

4- A era do contexto social - A partir de 2010, as redes sociais e sites reconhecerão as preferências dos usuários, mas de forma mais significativa, eles também reconhecem identidades pessoais e relacionamentos para personalizar a experiência com base na preferência e comportamento. Embora essa tecnologia tenha poderes, em níveis variados, tais como redes dedicadas à conclusões confiáveis e Yelp, essa funcionalidade será inerente a futuras redes utilizando tecnologia semelhante à Baynote direcionar a sabedoria das multidões que inspira a personalização do conteúdo para cada indivíduo. Baynotes acredita que a web, e locais em particular, podem aprender a partir da inteligência coletiva, melhorar a experiência com base no comportamento das multidões sobre os indivíduos.

Num futuro próximo, grande parte do conteúdo será automatizada, mas ainda contará com a explícita expressão das pessoas para melhorar a experiência Como observa Forrester, "Portable IDs significa que você será capaz de mudar uma opção para dizer que a Nike é uma mulher que dirige a 12 milhas por semana e ver imediatamente os sapatos que são melhores para você - juntamente com a contribuição de experiências de sua interação com amigos".

Eu acredito que a combinação de sistemas de inteligência semântica e coletiva irá melhorar o conteúdo e a interação global em sites e redes sociais ao longo do tempo.

5- A era do comércio social - Em 2011-2012, as redes sociais serão eclipse de sites corporativos e sistemas de CRM. A Forrester acredita que as comunidades tornarão-se uma força motriz para a inovação e, como tal, as empresas serão obrigadas a responder formalmente às comunidades, significando o poder de negociação com os clientes conectados.

Fonte: Shutterstock

Tweet do "link_estadao" (O Estado de São Paulo - http://twitter.com/link_estadao), dia 02/11/09.
Texto traduzido do site <http://ow.ly/xLCC> (artigo postado em 30/10/09). Tradução de Laura Pimentel.


1 comment

alguém precisa inventar logo algum jeito pirata-fora-da-lei de navegar na internet. já é complicado, mas em alguns anos vai ser absolutamente impossível dar um clique sequer sem estar alimentando o banco de dados de alguma megacorporação.
incrível como até o mundo virtual já foi completamente mapeado...

3 de novembro de 2009 10:25

Postar um comentário